Vacinas para gestantes e recém-nascidos

Por Michelle S. Ponce - Enfermeira CCIH 

Logo após a confirmação da gravidez, a gestante deve procurar uma unidade básica de saúde para iniciar o pré-natal. O acompanhamento permite identificar e reduzir muitos problemas de saúde que podem acometer a saúde da mãe e da criança. Possíveis doenças e disfunções podem ser detectadas e tratadas precocemente.

A vacinação é parte fundamental deste cuidado. A imunização durante a gestação protege não somente mãe, mas também o bebê. A gravidez e a amamentação ajuda proteger a criança até ela poder começar a vacinação infantil.




Durante a gestação, uma das maiores preocupações da mãe é a saúde do seu filho. Mas muitas mulheres ainda ficam em dúvida sobre o que fazer na gravidez para assegurar a saúde do bebê. Manter a vacinação em dia é uma forma de certificar que mãe e filho fiquem bem durante a gestação e também após o parto.

Tomar as três vacinas desta lista é necessário para evitar problemas de saúde na gestante, no feto e também no recém-nascido. Confira!

Tríplice Bacteriana Acelular do Tipo Adulto (DTPA)

Essa vacina é aplicada gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e promove a imunização contra três doenças: difteria, tétano e coqueluche. É indicado que as mulheres grávidas recebam uma dose da DTPA a cada gestação, mesmo se já tiverem tomado anteriormente.

A recomendação do Ministério da Saúde é de que a gestante seja vacinada entre a 27ª e a 36ª semana de gestação. Esse período foi definido para que a proteção para o bebê seja mais efetiva. Mas não é uma regra rígida, já que a dose pode ser administrada na mãe até 20 dias antes do parto.

Hepatite B

Aplicada em três doses, a vacina contra Hepatite B pode ser administrada a partir do segundo trimestre da gestação. A chance de um recém-nascido ser infectado com Hepatite B e desenvolver a forma crônica da doença é muito alta. Por isso mesmo, assim que nascem os bebês são imunizados. Entretanto, é importante que a mãe também seja vacinada, já que a contaminação durante a gravidez pode provocar inflamação no fígado da mãe. E no bebê pode causar cirrose hepática ou câncer de fígado na fase adulta.

As vacinas são distribuídas gratuitamente em postos públicos de saúde, mas as mulheres que já receberam as três doses da vacina antes da engravidar não precisam de reforço durante a gestação.

Influenza

Popularmente conhecida como gripe, o vírus influenza pode causar sérios danos à saúde do recém-nascido. Como o bebê só pode tomar a vacina após seis meses de vida, imunização da mãe durante a gravidez é muito importante para que a criança já nasça protegida. Administrada em dose única, a vacina contra a gripe pode ser prescrita em qualquer mês de gestação e em até 45 dias após o parto para as mulheres que não receberam a dose durante a gravidez. Entretanto é preciso ficar atenta já que a vacina é contraindicada para pessoas com histórico de alergia a ovo.

Por isso mesmo, é importante que a mãe leve sua carteira de vacinação já na primeira visita ao obstetra.

Vacinas para o Recém-nascido

A vacinação constitui o meio mais eficaz de prevenção de algumas doenças, constituindo uma das mais potentes armas de defesa contra doenças muito graves. Estima-se que salvam, por ano, entre sete e oito milhões de vidas no mundo inteiro, isto é, salvam mais vidas do que qualquer outra medida sanitária.

A primeira vacina que a criança irá fazer uso é a hepatite B. Ela será realizada na maternidade e de preferência nas primeiras 24 horas de vida. Ela irá proteger a criança contra um subtipo de hepatite – a hepatite B. Será realizada mais 2 doses de reforço com 1 mês ou 2 meses e com 6 meses. Estas três doses conferiram proteção para a vida toda da criança.

Outra vacina que será realizada logo ao nascer será a BCG. A BCG é realizada subcutânea no posto de saúde logo na primeira semana de vida (4-10 dias de vida). Ela protege contra os casos graves de tuberculose como meningite tuberculosa. Ela não confere proteção para a tuberculose pulmonar. As formas graves na criança só ocorrem nesta primeira fase da vida por isso ela não é mais repetida com 10 anos como antigamente. A BCG é a vacina que causa a cicatriz. Ela é realizada sempre no braço direito e irá levar a formação de uma bolha de pus, vermelhidão, crosta e por último a cicatriz. Se uma criança aos 6 meses não apresentar a cicatriz, ela deverá ser revacinada.

É muito comum a mãe se preocupar com a vacinação nos primeiros anos de vida esquecendo-se quando a criança torna-se maior. Isto não deve acontecer. Portanto fique atento ao calendário de vacinação e a carteirinha de vacinação do seu filho, uma dica é colocar em sua agenda!

Está grávida e ainda está em dúvida quanto à imunização?

Acesse www.portalsaude.saude.gov.br